sábado, setembro 12, 2009

Matar formigas

Exterminar formigas, esses sempre atarefados insectos, movimentando-se pelas paredes ou rodapés de casa em fileiras laboriosas, nunca me pareceu muito justo. Afinal de contas, os pobres animais estão a trabalhar, e se há coisa que a moral social nos incutiu desde cedo é que a uma pessoa que trabalha tudo é devido e consentido. Está bêbado o gajo? Gritou com a mulher? Esbofeteou as duas filhas? Sim, é verdade, mas passou o dia todo a trabalhar, está cansado, dêem-lhe um desconto. Também a formigagem trabalha que nem uma doida, pelo que não parece de todo eticamente apropriado proceder ao massivo holocausto de uma espécie que, na maioria dos casos, não morde, não suja, não cheira. Mas fazemo-lo. Eu faço-o. E recentemente passei a fazê-lo de forma especialmente malévola e calculista. Humana, portanto. Procurando infligir o maior dano possível da forma mais simples e higiénica possível. A Raid comercializa por estes dias aquilo que certa trupe de cientistas absolutamente geniais e alucinados etiquetou de "Cebos Hormigas", assim mesmo, em castelhano, para a coisa ficar bem sombria e maquiavélica. Em português seria "Iscos para Formigas", mas como na língua lusa certas inovações nunca têm o mesmo impacto, a malta da Raid portuguesa preferiu chamar o produto de "Controller Formigas". Os aerossóis são coisa do passado. Também nunca gostei muito deles, espalhafatosos e pouco eficazes que eram. A situação agora é a seguinte:

  • Coloca-se o isco num lugar alvitrado de estratégico. O isco é um pequeno casulo de plástico com várias entradas, recheado, segundo nos diz o fabricante, de manteiga e óleo de amendoim.
  • As formigas entram no casulo, atraídas pelo manjar oferecido, e voltam a sair, ainda de perfeita saúde, transportando porém consigo quantidades, por vezes mínimas, do nefasto alimento.
  • A coisa dá para o torto quando chegam aos lares (tocas, retiros, galerias, eu sei lá). Aí é que o veneno transportado e distribuído pelos amiguinhos começa a fazer efeito, exterminando famílias inteiras.
A morte silenciosa, dentro de casa, pela calada. Nada de cadáveres para limpar. Nenhum grito. Daquele buraco escuros nenhuma formiga voltará a sair para trabalhar. Agoram todas dormem sossegadas e para sempre. Cruel. Limpo.

Foi ela que comprou isto, não fui eu.

6 comentários:

SOFIA disse...

cselekedni kell, nem beszélni róla.

Francisco Norega disse...

Omg, isso é DEMASIADO maléfico. Eu tenho exterminado formigas a torto e a direito nos últimos tempos (são mais q' as mães!!!), mas isso fazer-me-ia ultrapassar todos os níveis de culpa.
Eu fico-me por exterminar toda e qualquer formiga que entre no meu espaço, as que estão lá fora não me fazem diferença :P

Coelacanto provoca maremoto disse...

o melhor mesmo é atirar um charro aceso para dentro do formigueiro

Márcio-André disse...

As formigas são seres de deus... até que as mandemos para o inferno!!!

Anónimo disse...

Estava eu à procura de dicas, para dar cabo desta enorme e estratega quantidade de pontos pretos que até teve a ousadia de sorrateiramente se meter em lençóis comigo, quando encontrei este conselho, que mesmo que não funcione já me dispôs muito bem. Amanhã esta ela irá providenciar o engodo!!

Anónimo disse...

Oh mae, isto sim, é mesmo o que estava procurando. O meu problema é agora com o meu namorado, aparentemente ficou com pena das formigas, mas não kero saber, eu já não aguento com elas a subirem-me pelas pernas e pelos braços acima, uma horrível sensação, espero que morram todas mesmo, e coitadinha da pessoa/animal que se meter no meu caminho, cai o carmo e a trindade se for preciso. (evil smile) Como diz o outro: "Guns don't kill people, I do."