terça-feira, fevereiro 26, 2008

DiVersos 12

Já anda aí o número 12 da excelente Revista DiVersos (Poesia e Tradução) que já há bastantes anos tem vindo a dar um bonito contributo para a divulgação e fruição de poesia portuguesa e estrangeira. Poderão encontrar mais informações na página da editora Sempre em Pé, onde também se poderá adquirir números antigos a preços especiais. Reproduzo agora um dos poemas com que participo na última edição da revista. O poema devia vir acompanhado de uma dedicatória ao meu bom amigo António, responsável pelo maravilhoso Cálssio, mas ele perceberá as afinidades...

Audrey Horne


sei o que estás a sentir, audrey horne.
também eu, como tu, trago um fogo aceso no peito.
conhecemos ambos o lucro
de escutar conversas alheias
dissimulados num recanto secreto.
também tu, audrey horne, como eu
não irás sobreviver às aves lá fora.
a tua tristeza tem corpo de lodo
e a tua desgraça é assim como a minha,
nodosa e absoluta

2 comentários:

Anabela disse...

João,

parece que o "Twin Peaks" também não te deixou nada indiferente...

Só por causa de mais um poema teu que adorei ler, cá estou a ouvir novamente a banda sonora do "Twin Peaks", mais precisamente aquela música que punha a Audrey Horne a dançar que nem uma hipnotizada.

Beijinhos para ti - e também para o António, que, segundo me contaste, também é um fanático de "Twin Peaks".

mariana disse...

lindo poema!