terça-feira, outubro 03, 2006

Uma mudança

A poucos meses de uma mudança que se prevê significativa, começo lentamente a preparar as alterações de hábitos que se impõem. Há que acompanhar uma mudança de vida com uma nova especificidade de posturas e atitudes para que a transição seja, mais do que uma penosa vaga que vá devagar roubando areia a uma praia pequena, um verdadeiro corte com o quotidiano transacto. Por isso começo já a adoptar aquilo que prevejo vir a ser um novo eu de uma nova existência. Vou passar a tomar bicas de perna cruzada, recostado na cadeira e não mais atento ao relógio, apressado e ansioso. O meu estilo será casual, ainda que arranjado e limpo, o suficiente para não destoar do meio envolvente, preservando ainda assim o que me distingue eventualmente dos demais. Vou também regressar ao verso de circunstância e procurar soluções para o tempo imperfeito enquanto recordação trágica de momentos fundamentais. Como vêem, estou a preparar o terreno exacto para o novo ciclo de um cultivo. Em certa medida, gostaria até de deixar de ser quem sou, caso pudesse preservar duas ou três coisinhas de que gosto imenso. Mas isso já são efabulações impossíveis.

3 comentários:

nils disse...

Posso considerar o melhor (poetas convidados e tudo) que já li por aqui? Isto é, para o bem e para o mal? É sem dúvida uma mudança!Gostei muito!

Beguinha disse...

De ti já ouvi o mais ridículo e o mais enternecedor, o mais impróprio e o mais surpreendente... de ti li agora o mais comovente, sempre com o teu melhor talento.

Anónimo disse...

ninguém, nunca, deixa de ser o que é!