segunda-feira, junho 28, 2004

A um melro

melro gordo
bicho de penas férreas
que insistes no choro
pela manhã
aos primeiros assomos do dia
e tratas a existência
com o vagar dos simples animais

tiveste azar, meu pobre amigo
não costumam ser certeiras
pedradas de tão longe

1 comentário:

Ana Carneiro disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.